Início

Fraternidade Rosacruciana São Paulo

Escola Cristã Esotérica Fundada em 1929

A Fraternidade Rosacruciana São Paulo é uma Escola Cristã Esotérica no mais elevado sentido.

Não é uma seita religiosa nem uma invenção ou montagem filosófica da moda. Não é uma igreja. Seus diretores e conselheiros jamais recebem em tempo algum qualquer remuneração pelos serviços prestados aos seus estudantes ou pelas instruções orais ou escritas que generosa e liberalmente oferecem. Todos eles, sem exceção, exercem suas profissões e vivem delas.

O esoterismo superior não se presta a qualquer tipo de comércio, não é ofício, portanto não explora aqueles que de boa fé dele se aproximam.

A Fraternidade tem por pedra angular dos seus ensinos os Evangelhos de Jesus-Cristo e a Filosofia Rosacruz.

Segue, desde sua fundação em 1929, a orientação segura do insigne instrutor, o senhor Max Heindel, representante iniciado e autorizado pela Ordem Rosacruz para apresentar seus ensinos. Contudo, a Fraternidade é uma escola independente e comprovada pelo tempo. Não está e nunca esteve filiada ou subordinada a nenhuma organização congênere, nem àquela que no início do século XX foi fundada pelo venerável representante da Ordem.

A Fraternidade mantém-se fiel ao Espírito dos ensinos oferecidos pela augusta irmandade, não tendo nada a ver com os interesses, fantasias e interpretações das organizações que se dizem suas representantes.

Razão
Amor

Fotos da sede da Fraternidade


Patronos da Fraternidade

Max Heindel

São Paulo

Eliphas Levi


Instrutores da Fraternidade

Lourival Camargo Pereira
Fundador, Presidente e Instrutor entre 1929-1990

Ennio Dinucci
Presidente e Instrutor entre 1990-2014


São Paulo (II Timóteo 4:2-4)

“Prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda a longanimidade e ensino.
Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo grande desejo de ouvir coisas agradáveis, ajuntarão para si mestres segundo os seus próprios desejos, e não só desviarão os ouvidos da verdade, mas se voltarão às fábulas.”